quinta-feira, 6 de agosto de 2009

Os filhos de João Netto e Da. Izabel

O Casal João Netto de Campos e Maria Izabel de MendonçaNetto



João Netto de Campos filho de Mário de Cerqueira Netto (Pais: João de Cerqueira Netto e Henriqueta Cristina) e de Da. Juvenília Campos (Pais: Juca Cândido e Da. Júlia). Maria Izabel de Mendonça Netto filha de Álvaro de Mendonça (Pais: David de Camões e Da. Angélica – filha do Senador Paranhos) e Dilly Porto (Pais: Major Paulino e Palmira). João Netto e Da. Izabel trouxeram ao mundo Mário de Mendonça Netto, Yedda de Mendonça Netto, Marlitt de Mendonça Netto e Álvaro de Medonça Netto.


Os filhos de João Netto de Campos e Maria Izabel de Mendonça Netto.

Mário foi Deputado Estadual na década de 1950, sendo o mais jovem deputado eleito e, já na década de 1960, elegeu-se vereador em Catalão. Como vereador foi julgado por um inquérito político-militar, por suas posições assumidamente contrárias ao governo militar e tendo sido considerado culpado, teve seu mandato cassado. Permaneceu um período na clandestinidade em função de sua militância política e, após ter seu processo arquivado, retomou os estudos e formou-se advogado pela Escola de Direito do Largo São Francisco da Universidade de São Paulo – USP. Atualmente aposentado, vive em Catalão.

Yedda, assim como seus irmãos, foi morar em São Paulo vindo a concluir seus estudos com a obtenção de diploma de Bacharel em Direito pela Escola de Direito do Vale do Paraíba, em São José dos Campos, tendo ingressado, primeiramente, na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo – PUC. Ainda em São Paulo, contraiu matrimônio com o também advogado Sylvio Roberto Lorenzi que à época era tenente exército pelo CPOR (Centro de Preparação de Oficiais da Reserva). Atualmente aposentada e advogando, vive em Catalão

Marlitt, também em São Paulo, optou por estudar teatro vindo a protagonizar importantes peças ao lado de grandes nomes do teatro nacional como Hélio Souto e Anselmo Duarte.
Sua formação nas artes cênicas lhe conferiu importante papel na dramaturgia de nossa cidade, tendo encenado diversas peças de renomados autores. É membro da Academia Catalana de Letras e foi casada com Dr. William Faiad, um dos grandes nomes da medicina local, falecido aos 43 anos, vítima de enfarto, no mesmo dia do aniversário da esposa – 23 de agosto de 1970.

Álvaro, ou Alvim, como todos o conheciam, era o caçula. Não deu prosseguimento aos estudos. Todavia, dotado de grande entusiasmo pela construção civil, realizou diversas obras cujos projetos estrutural, hidráulico e elétrico foram de sua autoria. A Galeria Antônio Ribeiro é um exemplo disso. Permaneceu desaparecido, por vontade própria, durante um período na década de 1960, vindo a ser descoberto, ao acaso, em Limeira, Est. de São Paulo. Retornando a Catalão, casou-se e, na década de 1980, elegeu-se vereador vindo a renunciar ao cargo para mudar-se com a família para Ribeirão Preto. Pessoa muito estimada entre seus pares, Álvaro, dos 4 irmãos, é o único falecido.

Nenhum comentário:

Postar um comentário