sexta-feira, 29 de janeiro de 2010

Quem será?

Quem será o elegante garoto? Deixe seu comentário e segunda feira revelaremos a sua identidade.

Inaugurando


A presença feminina duarante a inauguração da Netto e Cia. - Concessionarios Chevrolet.
Sueda Cozac, Maria Campos, Sumária. Quem mais você reconhece? Deixe um comentário.

Serra, serra serrador...


Cyro Netto em sua serraria que ficava na Av. José Marcelino, onde hoje está a Novo Mundo e onde funcionou a fábrica de parafusos e Induzidos dos irmãos Rodrigues de Paula, cujas fotografias já foram, aqui, publicadas. Observem ao fundo uma construção comuma enorme chaminé. Seria uma olaria? Se você sabe, deixe um comentário.

As mocinhas da cidade

Zélia, Nelli Humel, Irmã Iolanda, Astérea, Maria Antonieta, Maria Lúcia Martins, Rosarita Silva e Vilma Humel;

Militares catalanos no Haiti

Caro leitor.
Recebi a seguinte mensagem do Tenente Edilon Ferreira de Sousa, sobre Militares catalanos no Haiti:

Tenente Saúde Edilon - Bairro São Joao
3º Sargento QE Ben Hur - Bairro JK
Retorno previsto ao Brasil: dia 5 de Fevereiro.

Solddado Alex - Bairro das Américas
Soldado Ronan -Setor Universitário
Retorno previsto ao Brasil: dia 30 de Janeiro.

Sejam bem vindos!

quinta-feira, 28 de janeiro de 2010

Atenção

Caro leitor.
A fotografia acima foi publicada aqui no NOSSOCATALAO no dia 8 de janeiro. E estamos publicando novamente pois, em jornal que circula na cidade ela aparece com a legenda dizendo que o grupo é formado por normalistas do Colégio Mãe de Deus. Na verdade, como já publicamos, este é o grupo de professoras da Escola Paroquial São Bernardino de Siena e são as seguintes: em pé, da esquerda para a direita, Beralda Gomes, Maria Therezinha Bretas Netto, Maria Rosarita Silva; Sentadas, Norma Abrão, Yolanda Mendonça Vaz, Ibérica Soares, Isabel Esperidião, Nely Hummel, não identificada, Zélia Campos, Geralda Couto e outra Hummel, irmã da Nely.

Formatura

Parte integrante do convite de formatura do Colégio Mãe de Deus em 1929. Ao alto,o paraninfo Dr. Francisco Victor Rodrigues; à esquerda o homenageado Randolfo Campos; à direita a homenageada Madre Esperança Garrido; as professoras Julica (esq) e Telezila (dir) e as formandas Dália Sampaio, Aida e Amélia e, ao centro, a diretora Madre Natividade Gorrochategui

Rita Bretas

Rita Paranhos Bretas aos 15 anos de idade.

Costumes

Os 3 registros fotograficos a seguir (todos das primeiras décadas do século XX) trazem o costume de se dedicar a alguém uma recordação. Naqueles tempos a fotografia não era, como hoje, coisa corriqueira e oferecê-las a alguém, evidentemente, denotava elevada estima por quem a recebia. Hoje, a facilidade com que se obtém uma imagem nem se compara com a realidade de 80 anos atrás, todavia, o hábito de guardar imagens das pessoas, creio, permanece imutável.

Lourdes Victor Rodrigues

Lourdes Victor Rodrigues, filha de Cristiano Victor Rodrigues. Fotografia de dezembro de 1925 com dedicatória a Ritinha. Detalhe interessante: abaixo, à direita, selo do estúdio fotográfico "Bastos Dias" na Rua 7 de Setembro - Rio de Janeiro.

Henriqueta Campos

Henriqueta Campos, esposa de Randolfo Campos. Fotografia de 1922 com dedicatória a Amélia e Ritinha.

Giorgina Campos



Giorgina, esposa de Tharsis Campos. Fotografia de 1927 com dedicatória a Ritinha (Rita Bretas), Amélia (mãe de Rita Bretas), Aída e Astréia (filhas de Rita Bretas).

quarta-feira, 27 de janeiro de 2010

Casamento de Wisner Tartuci e Maria Lúcia Bretas Netto

Casamento de Wisner Tartuci e Maria Lúcia Bretas Netto, em junho de 1953. Wisner e Da. Lúcia são os dois primeiros da esquerda pra direita. Aparecem na fotografia, também, Da. Aida e Cyro Netto e seus filhos.
Francisco Victor Rodrigues e Jairo Campos em Uberaba, onde estudavam. Fotografia da segunda década do Século XX

José Victor Rodrigues – Catalão 29/1/1933 - Filho de Cristiano Victor e Amazília Campos.

Francisco Victor Rodrigues

Francisco Victor Rodrigues – Catalão 2/5/1928.
Filho de Cristiano Victor e Da. Amazília Campos, nasceu em Catalão em agosto de 1905 e em 1926, após concluir seus estudos e formar-se médico, retornou à cidade natal onde clinicou por alguns anos em consultório improvisado na farmácia de seu pai, a Farmácia Felicidade.
Dr. Chiquinho, como era conhecido, foi Ginecologista, Eisenhower Fellow, membro da Academia Nacional de Medicina e Catedrático das Escolas Nacional e Fluminense no Rio de Janeiro. E o que é Eisenhower Fellow? Milionários norte americanos, a pedido da viúva do ex-presidente Dwight Eisenhower, criaram a Eisenhower Exchange Fellowship Incorporated com propósitos de financiamento de programas de bolsas especiais. Os candidatos a uma bolsa não se apresentam, eles são apresentados. Dr. Francisco Victor, em 1958, participou de um programa financiado pela Eisenhower Fellow e, de acordo com um dos administradores da fundação, foi um dos mais brilhantes participantes. Dr. Chiquinho faleceu no Rio de Janeiro e, 15 de Fevereiro de 1962.

terça-feira, 26 de janeiro de 2010

João Sebba


O imigrante árabe João Sebba, pai de José, Jair, Estrela e Lígia Sebba. Aqui ele aparece na companhia dos netos (filhos de José Sebba) João Sebba Neto e Vera. João Sebba fixou residência em Sto. Antônio do Rio Verde onde mantinha um estabelecimento comercial. Fotografia da década de 1950, em Sto. Antônio do Rio Verde.

Filhos de Frederico Campos

Noel, Lurdete, Ruth e Maurício filhos do maestro Frederico Campos, irmãos do Juiz Humberto Campos, do Desembargador Mauro Campos, do Juíz Adélio Campos, do funcionário público federal Paulo Campos e do Deputado Federal Wagner Estelita Campos.

Dr. Tharsis Campos

Tharsis Campos e a dedicatória endereçada a Rita Bretas e suas filhas Astréia e Aída. Fotografia de Agosto de 1928.

Os filhos de Randolfo Campos

Jairo Campos (Desembargador do Tribunal de Justiça do Paraná) e Tharsis Campos (Advogado em Catalão), filhos do advogado Dr. Randolfo Campos. Tharsis Campos é pai do médico Dr. Haroldo Campos.

As filhas de Cristiano Victor

As duas fotografias a seguir mostram as filhas de Cristiano Victor Rodrigues e Amazília Campos Victor Rodrigues. Na primeira estão Aparecida Victor Rodrigues e Maria José Victor Rodrigues e a segunda mostra Victorita Victor Rodrigues. Exceto a Aparecida, que se casou, as duas outras se tornaram religiosas da Ordem Madre Cabrini em São Paulo. Cristiano Victor Rodrigues, em fins do século XIX, estabeleceu a Pharmacia Felicidade no local onde hoje ainda funciona com o mesmo nome, na Av. 20 de Agosto. Observem na fotografia de Victorita que ela fez uma dedicatória ao Irmão Deodato (filho de Rita Bretas) onde se despede para entrar no convento.


Aparecida Victor Rodrigues e Maria José Victor Rodrigues
Vitorita Victor Rodrigues

O Ranchão de Cyro Netto

Prática muito comum em período que antecedia as eleições municipais, era a contrução de ranchos que funcionavam como uma espécie de comitê eleitoral. Ali, o pagode ia até altas horas e havia farta distribuição de arroz com pelota. Todavia, a justiça eleitoral, mais recentemente, entendeu que esta prática configurava-se em algo com intenção de compra de voto e proibiu a sua realização. A fotografia abaixo mostra o rancho do então candidato a prefeito, Cyro Netto, montado em frente de sua residência, na Av. 20 de Agosto, no início dos anos 1950. O imóvel, que há alguns anos foi transformado em uma chopperia, existe até hoje.

quinta-feira, 21 de janeiro de 2010

Bodas de Prata de Nazir e Licinha

Em setembro de 1972 o casal Nazir Safatle e Licinha, comemoraram 25 de casados. A data foi festejada como manda o figurino e, em sua residência, o casal recebeu seus convidados divididos entre familiares e amigos. A sequência de fotografias a seguir registram alguns momentos da festa onde, você poderá perceber, todos se divertiram a valer. O interessante a ressaltar é que em imagens de ocasiões como esta, podemos ver e rever pessoas que há muito nos deixaram e que muita importância tiveram em nossas vidas. Além disso, do ponto de vista histórico, é possível perceber aspectos de época e as trasnformações que não cessam de ocorrer nos hábitos, nos costumes, no vestuário, no comportamento, eetc.
A renovação dos votos.
Nazir Safatle, sua esposa Maria Lícia e sua mãe Da. Nazira Safatle.

Á esquerda, de costas, os irmãos José e Aguinaldo de CamposNetto; nos teclados, Da. Odete Faiad,esposa de Dr. Jamil Sebba e mãe de Jardel Sebba. Nadima Safatle, Wanda Safatle, Wilson Faiad, e Nancy Safatle. Bem à direita, me parece ser Mauro Faiad, filho de Dr. William e Da. Marlitt. Todos cantando ao som do teclado de Da.Odete.
Nazir Safatle e seus cunhados Darcílio, Silvio e José, o três irmãos da esposa Maria Lícia. Dos 4 apenas Silvio é vivo e mora em São Paulo com a filha Silmar. Reparem que ele está com um hematoma no seu olho direito. Sobre a mesa, garrafas de guaraná Brahma, um Whisky JB e algumas garrafas de cerveja.
Da esquerda pra direita: Álvaro de Mendonça Netto, sua esposa Lúcia Ribeiro e o primeiro filho do casal, no colo da mãe, Paulo Ribeiro Netto; Da. Nazira Safatle, Da. Maria Izabel Mendonça Netto, Lourdes Safatle e seu filho Cláudio.
Nazir Safatle e alguns de seus convidados: João Moreira (filho de João Moreira e Da.Lourdes), o cunhado João Netto e o médico João Margon (o João Bolinha, filho de Nilo Margon, mora em Anápolis). Curiosidade: 3 "João". Ao fundo, à esquerda Antônio Simão Nour conversando com sua sogra, Da. Natália Soares Safatle e à direita Mário Safatle (o Mário do João Farid).

Da esquerda pra direita: Jorge Elias Safatle (filho de Naim Elias e Nadima), Pedro Paranhos, Nazir, Licinha e João Netto. Observem que, à exceção do garoto Jorge, os demais estão cantando. João Netto cantando e se servindo de uma dose de Whisky.

quarta-feira, 20 de janeiro de 2010

Os Campos


Churrasco na de José Netto de Campos. Da direita para a esquerda: Saulo Borges, Felicidade, Nailor, Fábio, Silmar, Sueli Safatle, Nancy Safatle e Isabel. Repare no garrafão de vinho em cima da mesa, as garrafas de vidro pequenas de refrigerante. Como a Nailor segura um balão. De acordo com Isabel Campos, a fotografia é da década de 1970, em julho, época em que sempre se comemorava o aniversário de Margareth, filha de Marlene e neta de José Netto de Campos. José Netto de Campos, é filho de Da. Yayá e Lourival Campos. Dois de seus irmãos, Goyá (falecido) e Sebastião ocuparam cargos de primeiro escalão nos governos do Paraná e Santa Catarina, respectivamente. Sebastião mora, atualmente, em Florianópolis.

Lourival Campos e Felicidade


Nesta fotografia vemos Da. Felicidade e seu marido Sr. Lourival Campos e registra um momento na festa de comemoração das bodas do casal (a confirmar se de Ouro ou Diamante). A criança que está abraçando Da. Yayá é sua bisneta Cristiane, filha do João Carlos. A fotografia, creio, é de 1973, pois o casal faleceu em novembro de 1975 e foi tirada na casa do casal, que fica na Av. 20 de Agosto, próxima ao Restaurante Donana e é ocupada por Lourdes, filha do casal. Detalhe curioso é que, a exemplo de Rosentina de Sant'Anna, a Da.Yaiá e que empresta seu nome à escola no Bairro São João, Da. Felicidade Netto de Campos era também chamada por todos de Yayá.

Filho Ilustre

Wagner Estelita Campos, filho de Frederico Campos. Foi Deputado Federal e Presidente da Comissão de Orçamento do Congresso Nacional. É de sua responsabilidade a inclusão, no orçamento da União, da verba para a contrução da BR050 e da ponte ligando Goiás e Minas e que leva seu nome, a ponte Estelita. Observem ao fundo o couro de uma onça fixado na parede. Se fose hoje...

Aguinaldo, Felicidade, tristeza...

Felicidade Campos, filha de Lourival Álvares de Campos e Felicidade Netto de Campos e o primo Aguinaldo de Campos Netto, filho de Nhozico e Juvenília. Felicidade, ou, simplesmente, Dadi é vista pelas ruas de Catalão dirigindo seu Volkswagen TL, 1972, 4 portas, azul, na maioria das vezes com sua irmã Lourdes no banco do passageiro. Aguinaldo, o filho caçula, infelizmente é falecido, acometido que foi por grave doença. Aguinaldo teve seu filho mais velho, Ricardo, assassinado a tiros, em Brasília, na saída de um bar onde comemorava com a esposa e irmãos, sua aprovação em concurso do Ministério da Agricultura. Formou-se agrônomo. Aguinaldo é autor da letra do Hino de Catalão.

Em São Paulo


1952, Aguinaldo de Campos Netto era estudante em São Paulo, onde formou-se Psicólogo. Esta fotografia tirada no centro da capital bandeirante, mostra no fundo, ao alto, luminoso do "Hotel Central", onde morou. Professor e primeiro secretário do Colégio São Bernardino de Siena, professor do Colégio “Nossa Senhora Mãe de Deus”, professor e o primeiro diretor do Colégio Estadual “João Netto de Campos”. Após o casamento com a professora Olga Borges, transferiu residência para Brasília, onde foi professor da Fundação Educacional de Brasília e da Escola Superior de Guerra, em que teve destacada atuação.Psicólogo, como a esposa, Dra. Olga Borges Campos Netto, exerceu com ela a profissão em reconhecida clínica de excelência no Distrito Federal. Fez-se notar como conferencista, notadamente sobre “Análise transacional”.

Os Campos

Frederico Campos, com os sobrinhos Lourival Álvares de Campos e Lisandro Campos e um não identificado (seria o Solom Campos, também sobrinho?). Lourival Álvares de Campos, filho de Da. Júlia Amélia e Juca Cândido casou-se com Felicidade de Cerqueira Netto (filha do Ten. Cel. João de Cerqueira Netto e mãe de Maria das Dores Campos). Reparem que Lisandro está segurando um espingarda e a presença de cães são indícios de que a turma era chegada à caça.

terça-feira, 19 de janeiro de 2010

Da direita para a esquerda: Maria Clarisse Vaz Tartucci (filha de Berenice e Wilson Tartucci, neta de Da.Dagmar), Isabel Campos, Roberto Rocha, Toni, Tadeu (filho de Geraldo Evangelista da Rocha) e a Inêz. Fotografia tirada em frente a casa do Seu Jonas Teixeira (pai da Reilda, Reia, França, onde hoje é a Casas Bahia). A camionete pertencia a Seu Jonas que ficava estacionada do lado da casa de Isaac da Paixão/Henriqueta. A pavimentação desse trecho da Av. 20 de Agosto com bloquetes, indica que a época é o final de década de 1960. A casa ao fundo é onde morou Bernardo Guimarães e hoje pertence ao empresário Pedro Paulo Batista.

Olha a Turma

Da direita para a esquerda: Heloisa Aires, Juarez Aires, atrás Tadeu, Fernando Rocha, Walter Garcez de Lima, Claudia Aires, João Martins Júnior (filho do Prof. João Martins), Clarice Netto (escondida) Vânia Netto, Isabel Campos, Cristiano, Roberto Rocha, Toni, Zezinho e Nain Fayad (irmão da Márcia Fayad). Esta fotografia foi tirada em frente a casa de Sr. Antônio Aires, na Rua Juca Cândido, próximo à Praça Getúlio Vargas. Na esquina, o casarão de Da. Diva Aires e onde funcionou por vários anos o Bar das Vitaminas. Indícios indicam final da década de 1960: o Fusca estacionado é um modelo posterior a 1966, pois, a partir de 1967 eles passaram a ser equipados com motor de 1300cc e na traseira, na tampa do motor do veículo acima, pode ser vista a logomarca indicando o motor 1300.

Na praça da Velha Matriz

Na praça da Velha Matriz. Da esquerda pra direita: Walter Garcez de Lima, Naim Fayad, Roberto Rocha, Tadeu e Cristiano (sentado). Ao fundo prédio onde funciona a Concessionária Volkswagen MAUDI. À época desta fotografia a concessionária, também Volkswagen, chamava-se DISCAUTO - Distribuidora Catalana de Automóveis. Depois passou a se chamar COMSUL - Comercial Sua Goiana de Automóveis. Houve um tempo, porém, em que ali funcionou uma Concessionária FORD, pertencente à família de Farid Miguel Safatle.

segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

O fim da Guerra


Dia 8 de maio de 1946, solenidade em comemoração do primeiro aniversário do fim da Segunda Guerra Mundial, na praça Getúlio Vargas, em frente ao monumento em honra do pracinha Ademar Ferrugem, catalano morto em combate. Discursando, em nome dos estudantes, a ginasiana Maria Therezinha Bretas Netto. Ao seu lado, de preto, em pé, o professor Antonio Jorge Chaud, que falou em nome do povo. Do lado direito vê-se o então prefeito nomeado, Ozark Vieira Leite, pouco depois substituído pelo interventor Cyro Netto.

O assassinato de Albino Felipe

Um dos personagens mais controversos da história de Catalão é o fazendeiro Albino Felipe do Nascimento. No dia 26 de maio de 1936 Albino Felipe foi morto em uma emboscada a poucos quilômetros de sua fazenda. O crime permanece envolto em mistério até hoje. As informações sobre as identidades do verdadeiro criminoso e do mandante são desencontradas, talvez mais por conveniência do que ignorância de fato. Todavia, o cidadão Antero da Costa Carvalho, por quem o fazendeiro nutria grande amizade, foi acusado pelo crime e, preso, foi torturado e linchado, pelas ruas de Catalão, até cair sem vida em local onde foi construída uma pequena capela em sua homenagem. Sábado, dia 16 de janeiro de 2010, estive na fazenda de Da. Maria Joana, neta de Albino Felipe e lá consegui fotografia do fazendeiro que publico abaixo.
O fazendeiro Albino Felipe do Nascimento. Observem que ele possuía um pequeno defeito no lábio.
Na margem direita da BR050, no sentido Catalão-Uberlândia, alguns metros adiante da placa indicativa do Km 290, encontra-se a cruz mostrada acima. Neste local o fazendeiro Albino Felipe do Nascimento foi morto vítima de uma emboscada.

Quem é o pequeno folião?

Trata-se do hoje médico e deputado estadual Jardel Sebba.

Renato e Seus Blue Caps em Catalão

Sábado, 16 de Janeiro de 2010, o palco do clube Recreio recebeu um dos ícones da música jovem brasileira, leia-se "Jovem Guarda": Renato e Seus Blue Caps. O público presente não foi compatível, mas quem esteve lá viu e ouviu a banda desfilar seus grandes sucessos, em sua maioria compostos por versões de músicas dos Beatles, com muita competência. O evento é histórico pois que protagonizado por uma das bandas mais antigas em atividade e que nunca deixou de excursionar pelo Brasil. Quem foi se divertiu, se emocionou. Quem não foi perdeu uma oportunidade ímpar de testemunhar o retrato vivo de uma época dourada e que marcou para sempre toda uma geração. De minha parte, parabenizo a iniciativa de Milton Neri.


Atualmente, com 42 anos de carreira ininterruptos, o conjunto está prestes a entrar para o Guiness Book, como o mais antigo do planeta em atividade. E uma prova da importância de Renato e Seus Blue Caps nesta "Era Digital", é o constante lançamento de seus discos e coletâneas em CD, mostrando que sua música sobreviveu ao tempo, atravessou gerações, e se mantém viva, alegre e espontânea. (informação extraída do site oficial da banda)
REnato solando a sua Fender Stratocaster.
A Fender Stratocaster é o modelo de guitarra preferido dos melhores guitarristas do mundo. além da Stratocaster existe a Telecaster que também figura entre os modelos mais utilizados. A Gibson Les Paul faz parte da lista das melhores guitarras mas a Stratocaster é imbatível, a julgar pela lista de guitarristas que a utilizam. Veja alguns: Jimi Hendrix, Eric Clapton, George Harrison, John Lennon, Mark Knopfler, David Gilmour, Jeff Beck, e por aí vai.

sexta-feira, 15 de janeiro de 2010

Quem será?

Quem será o pequeno folião, devidamente trajado para brincar a folia do Rei Momo? Escreva um comentário e dê seu palpite. Segunda feira revelaremos a identidade do pequeno Arlequim. Bom fim de semana e que Deus nos acompanhe. Até lá.

Carmen Lúcia


Fotografia dos primeiros meses de vida da Carmen Lúcia( hoje, senhora Dr. Abadio), filha de Dorileno Cerqueira Netto e Da. Ruth, tirada dia 8 de outubro de 1951, no colo da mãe, ladeada pela tia Elza Netto Gonçalves, primas Maria Therezinha Netto e Maria Campos.

Banco do Brasil

Dias atrás publiquei uma fotografia do prédio do Banco do Brasil em construção e onde funcionou durante mais de 20 anos e que hoje abriga a Caixa Econômica Federal. A bem de melhor informá-los o Banco do Brasil foi inaugurado no ano de 1952 e, inicialmente, funcionou na Av. Farid Miguel Safatle (antiga Av. Brasil - em frente à Biblioteca Virtual) no imóvel que mais tarde abrigaria A Eletrolar, loja de eletrodomésticos de propriedade de Sr. João Hemídio. Do prédio inicial mudou-se para o novo, construido por Silvio Netto Campos em terreno doado pela Prefeitura, na gestão Cyro Netto, e foi durante muito tempo a melhor instalação do Banco do Brasil no interior de Goiás, pois contava o prédio, além das áreas ocupadas pela agência, com apartamento para residência do Gerente, garagem, etc. Anos depois, o Banco adquiriu o imóvel, que vinha sendo alugado. Abaixo foto dos funcionários, tirada em 19 de julho de 1963. Da esquerda para a direita - em pé, no alto, José Moraes, Ronaldo Rios, Gildo, Eustáquio; na segunda ala, em pé, Joaquim (O Quinca), Waldir, Arbane Borges, Vicente, Omar Caixeta, Mendonça, Magno, Augusto Barbosa e José Carlos Miziara; sentados: José Goulart (Ajudante de Serviço da Contabilidade), Minerval Benedito de Oliveira (Subgerente), Inspetor Jaime, Paulo de Oliveira (Gerente), Domingos Coimbra (Ajudante de Serviço da CREAI), Walter Marra (Caixa em comissão) e João Missias de Assis (Chefe da CREAI). Ausentes da foto Mauro Castanheira, o "Pinguim", e o comissionado Fiscal da CREAI Wander Pimentel Ulhoa, também do quadro da agência.



Em 1938



Grupo de amigos reunidos antes de uma partida de futebol, no ano de 1938. Alguns senhores identificados por Celso da Madeireira: Honorival, Dolores (o Dolorim, pai do Dr. Djair), Olavo Pires, Teodolindo, Dr. Jamil Sebba, Nego Lour. Mande seu comentário se acaso identificar mais alguém.

A Panificadora São José

COMO SURGIU A PANIFICADORA (Por Minerval Oliveira)

Na segunda metade da década de 50, os irmãos MARIA CONSOLAÇÃO MENDEZ e CONSOLINE ARAÚJO MENDEZ, ela Gerente e ele Contador da “Casa Bancária D.D. Sampaio”, de propriedade de Diógenes Dolival Sampaio, adquiriram o imóvel onde funcionou o Cine Imperial, de João Paschoal, e instalaram uma moderna panificadora e bar.
Constituíram, então, uma sociedade comercial e industrial, com a inclusão, como sócios minoritários, de MÁRIO REIS NICOLETTI, cunhado dos dois (casado com Fátima Mendez), e o irmão deste, IRINEU REIS NICOLETTI, o “porquinho”.
Por razões que não interessa agora mencionar, quando a “Casa Bancária D.D. Sampaio” foi adquirida pelos Senhores Francisco Cassiano Martins, Genervino Evangelista da Fonseca e Nilo Margon Vaz, na década de 60, o patrimônio da panificadora (edificação, maquinaria e instalações) foi adjudicado à Casa Bancária em pagamento de dívidas, e o estabelecimento teria que ser fechado.
A oportuna intermediação do então Subgerente do Banco do Brasil, Sr. Minerval Benedito Olivedira, que tinha bom relacionamento com os proprietários da Casa Bancária e os devedores, alvitrou a venda do acervo aos irmãos IRINEU e MÁRIO, que constituíram, para isso, nova sociedade, e contrataram o pagamento da dívida em parcelas mensais com juros de mercado. Surge, assim, os NICOLETTI como donos absolutos da empresa, tendo eles resgatado em tempo e integralmente o compromisso.
Por oportuno, lembre-se que o Gerente da Casa Bancária que sucedeu os Mendez foi o competente e correto bancário ALMERI DE PAIVA BORGES, catalano, que assumiu o cargo a convite do Sr. Francisco Cassiano Martins, tendo se exonerado de elevada função administrativa em um Banco em Goiânia.
IRINEU NICOLETTI, já residia em Catalão, tempos antes, como comprador de porcos (daí o carinhoso apelido) para exportar para abatedouro do interior de Minas, de onde vieram, Mário, o pai e o irmão mais novo.

Em 1962


Foto de 1962, fazenda do Sr. Sebastião Aires Araújo. Da esquerda para a direita: o filho Divino Aires (casado com Vera Sebba, irmã de Dr. João Sebba) e sua mãe Da. Isabel, Dr. Heber Campos, João (gerente do BEG), Minerval (gerente do Banco do Brasil), Filogonio, Jarbas Pinto da Pãixão, Almeri de Paiva Borges (gerente da Casa Bancária), Francisco Cassiano Martins e esposa Dona Palmira Leite Martins.

quinta-feira, 14 de janeiro de 2010

Primeira Comunhão


Fotografia da primeira Comunhão dos gêmeos Nancy e Fernando Safatle, filhos de Nazir Safatle e Da. Licinha. Na dedicatória eles oferecem aos tios Armando e Tereza (ela, irmã de Da. Licinha) e aos primos. A data: 11 de julho de 1955