quinta-feira, 15 de abril de 2010

O Colégio Anchieta

A 4 fotografias a seguir, como diria alguém motivado por enorme saudosismo, "é de doer no coração". Elas mostram que o prédio que abrigou um dos símbolos da educação, não só em Catalão, mas de toda a chamada região da Estrada de Ferro, o Colégio Anchieta, está sendo demolido. Por vários anos o prédio esteve entregue ao abandono, servindo, de acordo com informações, de ponto de venda e consumo de drogas e prostituição. De iniciativa do Advogado João Margon (assassinado em sua residência em 2008), o colégio entrou em atividade no ano de 1966 no prédio que pertencia à Fundação Wagner Estelita Campos e onde, no horário noturno, funcionava, também, a Escola de Comércio onde era ministrado curso técnico de Contabilidade. Em 1969 João Margon, então diretor do Anchieta, juntamente com outros catalanos, foi preso pelo Exército que aqui desembarcou motivado por denúncias de atividades subversivas. Eram os anos de chumbo da ditadura Militar. Após ser solto, João Margon foi proibido de retornar à direção da escola, cargo que passou a ser ocupado pelo Prof. Adilson Aires que ali permaneceu até o encerramento das atividades do estabelecimento de ensino. Nas fotografias pode-se ver que as paredes internas vão sendo derrubadas uma a uma. A Fundação Wagner Estelita Campos foi fundada em 1951 e o prédio inaugurado em meados da década de 1960.

3 comentários:

  1. Sylvio, o Adilson não permaneceu até o fechamento definitivo do colégio. Em 1994 assumiu o professor Jamil Barbosa já que o Adílson assumira a direção do Colégio Objetivo.

    Lucas Moisés

    ResponderExcluir
  2. Pode me responder por qual motivo o colégio fechou ? Existe alguma lenda, uma história de homicídio, morte, suicidio no lugar ? Aguardo Respostas :S

    ResponderExcluir
  3. Um dos motivos do fechamento do Anchieta, creio, foi a questão administrativa em que pese o surgimento da concorrência com nomes de peso como Objetivos e Anglo.

    ResponderExcluir