quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

Cem anos de João Netto de Campos

No dia 19 de janeiro de 1911 nascia em Catalão, João Netto de Campos. Filho de Mário de Cerqueira Netto e Juvenília de Campos Netto, foi um dos principais políticos de Catalão. Se vivo estivesse, estaria completando 100 anos.


Foi o primeiro prefeito eleito pelo voto direto, em 1946, cargo para o qual seria eleito mais uma vez em 1969. Foi deputado estadual por duas legislaturas, foi vereador e suplente de deputado federal. A política, além de Catalão, foi sua grande paixão. Entre suas principais conquistas para sua terra natal estão o Banco do Brasil, o Banco do Estado de Goiás, o Colégio Estadual que leva seu nome, o fornecimento de energia elétrica etc. Mas a vida de João Netto não está marcada apenas por seus feitos políticos, há alguns episódios que demonstram seu caráter de pessoa dada, principalmente, à caridade e solidariedade. Não é de hoje que a política sempre motivou o acirramento das forças envolvidas no processo. E foi a política que levou às vias de fato João Netto e um primo de sua esposa, Palissy Guimarães, filho de Portugal Porto Guimarães. No auge do conflito, Palissy, de cima de sua montaria, agarrou João Netto numa “gravata” e desferiu-lhe um tiro cujo projétil lhe atravessou o rosto, arrancando um pedaço do lóbulo da orelha esquerda e alojando no braço do atirador. O desfecho desse incidente foi que, vendo Palissy que muito sangrava no braço, mandou que o levassem, em seu aeroplano, para Araguari, para receber o atendimento médico necessário. E foi este mesmo aeroplano que quase matou João Netto. Certa ocasião, estando em pleno vôo, o motor começou a falhar e, vindo a se apagar por completo, obrigou João a fazer pouso forçado em uma aguada próxima ao Rio Paranaíba. Após o acidente verificou-se que haviam sabotado o tanque de combustível, misturando água de enxurrada (suja) à gasolina. E foi esse mesmo aeroplano que João Netto doou para a construção de uma das obras mais importantes, de todos os tempos, para Catalão e toda a região da estrada de ferro: a Santa Casa de Misericórdia de Catalão. E nestes tempos em que o moral da classe política do Brasil anda mais baixo que “diferencial de sapo”, como diz a sabedoria popular, o maior exemplo, o maior legado que João Netto de Campos deixou é que, apesar de todos os cargos para os quais foi eleito, morreu pobre, deixando, tão somente, um Fusca 1981, branco.



 João Netto de Campos e, uma fotografia da década de 1980. Observem na orelha a marca do tiro que levou.

 João Netto tendo ao fundo a sua grande paixão: Catalão

 Esta imagem da atual Av. Lamartine tendo ao fundo o aeroplano de João Netto com o qual protagonizou episódios marcantes em sua vida.

João Netto de Campos em sua posse como Deputado Estadual em 1975.

Nenhum comentário:

Postar um comentário