quinta-feira, 28 de julho de 2011

Piscina do CRAC

Fotografia dos anos 1990 mostra o estado de abandono a que foi submetida a piscina do que outrora fora a área recreativa do CRAC. Ao fundo os vestiários e mais atrás o Salão que fora construído onde antes existia a quadra poliesportiva. Recuperado todo o complexo foi transformado no Centro de Convivência da Melhor Idade. Ali, nos dias quentes do verão catalano, de meados da década de 1970 até ser abadonado, o clube tinha boa frequência. Eram duas piscinas, esta mostrada na fotografia e uma menor que ficava mais atrás. Bons tempos. Era comum, naqueles tempos, após as noitadas de carnaval no salão de festas, a turma amanhecer e ir curar a ressaca na piscina.

Casaram

Cerimônia civil do casamento de Democh Jorge Elias e Sebstiana. O casal à esquerda é Jorge Democh e sua esposa Da. Dib, pais de Democh.

As meninas catalanas

Tereza Costa, Marlene Martins, Olga Borges, Genesia Calaça, Edmilce Castro, Maria Amelia Netto, Afonsina Vaz e...

Pelos idos de 1940...

Nesta fotografia da década de 1940 estão Lourdes Duarte, Dea Ramos, Donatila, Solange Campos, Ornézia Coelho, Áurea Leite, Humberto Campos e...

1940

Esta fotografia, acredito ser da década de 1940, vejo Francisco Netto de Campos, Antônio Salles, Mauro Campos, Dr. Jamil Sebba, Prof. José Victor Rodrigues, Valdé Aires, Darci Martins e...
Estão postados, creio, diante do prédio antigo do colégio Mãe de Deus.

Ao Coelho

Durante os últimos 10 anos o conhecido Bar do Coelho foi ponto de encontro de uma turma de amigos que ali se reunem, sempre, às segundas feiras. Nos últimos 6 para 7 meses, eu a eles me integrei, embora a amizade, com a maioria dos segundeiros, venha desde a adolescência. Evidentemente, decorrido tanto tempo, laços de amizade foram se formando com o proprietário, o popular "Coelho" e, para brindar essa amizade, no último 3 de julho, data em que ele e sua esposa Cidinha completaram 20 anos de casados, fomos convidados para participar, com seus familiares e tantos outros amigos, daquele momento de felicidade do casal, na intimidade do seu lar. Na noite de quarta feira, 27 de julho de 2011, porém, fomos pegos de surpresa pela notícia do falecimento do Coelho. Assim, eu, em nome de Tonim Chaud, Dudu Chaud, Dudu Paschoal, Júlio Carlos Paschoal, Délio Paes, Isaquinho, Ronaldo Meireles, Hugo Meireles e Guilherme Pimenta, expresso nosso profundo pesar pelo passamento do Coelho e que Deus o tenha sob sua guarda por toda a eternidade.

quarta-feira, 27 de julho de 2011

sexta-feira, 22 de julho de 2011

Filhas de Cristiano

Áurea e Nilza Aires, filhas de Cristiano Aires e Da. Isabel. Áurea casou-se com José Netto de Campos (filho de Lourival e Felicidade)) e tiveram: Solange, José Carlos, Marlene, Lucilia, João Carlos, Toni, Isabel e Inês; e Nilza casou-se com com Pedro Pires (filho de Jocelim Pires) e tiveram: Carlos, Juraci, Vania e Antônio.

Filhos de José e Áurea

Solange, José Carlos e Marlene filhos de José Netto de Campos e Áurea Aires Campos.

As irmãs

Dorcilia, Otília, Almerinda, Maria do Carmo e Orminda. Elas são irmãs de Clotilde Borges mãe do Prof. João Martins.

segunda-feira, 18 de julho de 2011

José Netto de Campos

José Netto de Campos, o Zezé Pito, apelido recebido por estar, sempre, com um "pito de palha"  no canto da boca. Filho de Lourival Álvares de Campos e Da. Felicidade, casou-se com Áurea Aires, filha de Cristiano Aires. José é irmão de Maria das Dores Campos, a Da. Mariazinha.

Filhos de José e Áurea

José Carlos, Marlene, Solange com Lucília nos braços e João Carlos

Em 1947


Normalistas do Mãe de Deus noano de 1947. De cima para baixo e da esquerda para diretia: Nelita Nogueira, Badra Elias Democh, Maria Braga, Maria do Rosário Holl, Maria Therezinha Netto, Joanidia Campos, Lazara Gomides, Maria do Rosário Silva, Terezinha Oliveira, Rute Evangelista, Professora Maria das Dores Campos, Professora Mussolina Araújo Piantino, Madre Agostinha, Madre Maria de Jesus Victor Rodrigues e Professor José Victor Rodrigues.(fotografia gentilmente cedida por Solange Campos Teixeira)

Em 1946

Ginasianas do Col. Mãe de Deus em 1946.
De cima para baixo e da esquerda para direita:
Nelita Nogueira, Professor Antonio Chaud, Carlinda Machado, Maria Therezinha Netto, Maria de Lourdes Queiroz, Terezinha Oliveira,  Conceição Aparecida Almeida, Professora Maria das Dores Campos, Madre Maria de Jesus Victor Rodrigues, Maria Clarice Meireles, Joanídia Campos, Ermelinda Matias, Maria Inês de Jesus Machado, Hosanita Barbosa Pinto, Maria do Rosário Silva, Ilca Meireles, Maria do Rosário Holl, Izabel Elias Esperidião, Maria do Rosário Araújo, Hosana Elza Barbosa, Rute Evangelista, Neuza Gonçalves, Alzira Meireles, Sueda Cozac, Badra Elias Democh, Jacy Coelho e José Victor Rodrigues. (fotografia gentilmente cedida por Solange Campos Teixeira)

sexta-feira, 15 de julho de 2011

Amigos leitores

O CRAC completou 80 anos. Várias matérias foram veiculadas na imprensa escrita e televisada. Todavia, um dos eventos da maior importância na história política de Catalão e que teve como palco o salão de festas do clube, O Baile Pscodélico, ficou de fora. Ocorrido em finais da década de 1960, o evento rompeu com as estruturas até então vigentes e teve sérias implicações na vida política e social de Catalão. De forma que estou colhendo material para poder contar, com o máximo de detalhamento possível, os desdobramentos daquele que foi, segundo os conservadores, um dos maiores escândalos da cidade. E para realizar esse trabalho, conto com vocês que têm acompanhado o NOSSOCATALÂO durante esses dois anos de existência. Envie fotos, textos, e você que esteve presente ao baile, conte sua experiência. Desde já, agradeço. Um abraço a todos.

Equívoco

Esta fotografia, já publicada anteriormente, mostra a Praça Getúlio Vargas, que à época chamava-se, tão somente "Jardim Público", na década de 1930. 2 detalhes chamam a atenção: desde que foi restaurada, pelo então prefeito Diógenes Dolival Sampaio, a praça contava com um chafariz (á esquerda) e, desde que o coreto foi erguido, até os dias atuais, ele tem a forma Octogonal.


A foto acima, também da década de 1930, mostra com mais detalhes o Chafariz.

A fotografia acima registra a inauguração do Monumento ao Pracinha, 1 ano após o término da IIGuerra Mundial, ou seja, em meados de 1946. O coreto e o chafariz possuem as formas originais e mais um detalhe presente a partir de então: a grande árvore que existe até os dias atuais.


Uma outra tomada mostrando o coreto e a grande árvore em uma fotografia da década de 1950. O prédio do Ginásio Pres. Roosevelt (posteriormente Escola Paroquial), denunciam a época. O monumento ao Pracinha, também, pode ser visto norumo do prédio do Bar e Restaurante Irapuan, que nessa época, salvo engano, era o Bar Antárctica, de propriedade de José Pedro. A sede social do CRAC pode ser vista atrás da palmeira.


Agora, observem a fotografia acima. Ela foi publicada em um desses períódicos que circulam em Catalão. No texto diz se tratar da Praça Getúlio Vargas na década de 1950. O coreto aqui mostrado é hexagonal, o chafariz não existe e a grande árvore, também não aparece. Da mesma forma, o monumento ao pracinha não é mostrado. De forma que, afirmo que esta fotografia não é da Praça Getúlio Vargas, muito menos em Catalão.

 Vejam esta fotografia do iníco do século passado com o coreto em sua primeira forma. Já naquela época ele tinha a forma octogonal.

quarta-feira, 13 de julho de 2011

Dia Mundial do Rock

13 de Julho, Dia Mundial do Rock, mas, como surgiu a data?
Bob Geldof, vocalista da banda inglesa "Boomtown Rats", sensibilizado com os flagelados da fome que assolava a Etiópia, idealizou e promoveu um mega festival que, além de angariar fundos para serem revertidos em donativos para o povo etíope, teve como objetivo chamar a atenção das nações mais ricas para o flagelo da fome, não só na Etiópia, mas, também, em todo o 3º mundo. O festival, batizado por Geldof de "LIVE AID", aconteceu no dia 13 de julho de 1985, simultâneamente, em Londres, no lendário "Templo do Futebol" estádio de Wembley e na Filadélfia, EUA. Dele, fizeram parte consagradas e carimbadas figurinhas da cena rock'n'roll de todo o mundo. Paul Mcartney, Phil Collins, Eric Clapton, Bryan Adams, Boy George, Peter Gabriel, Duran Duran, David Bowie, entre outros, são alguns dos rockeiros que se apresentaram em nome de uma causa que muito pouca atenção tem merecido das nações mais ricas.
Para o Natal de 1985, Geldof compôs uma música, interpretada por dezenas de cantores que estiveram em Wembley e que virou um disco, na verdade um compacto cuja renda das vendas em todo o mundo, foi revertida em mais donativos para o faminto povo etíope.
Eu comprei o meu exemplar e o guardo como uma jóia pelo que ele representa e pelo time de artistas que participaram das gravações. São apenas duas música e a principal é "Do they know it's christmas"? (Eles sabem que é Natal?). Abaixo, a capa e contra capa do disco com destaque para a fotografia de todos que participaram nas gravações.



Observem na capa as imagens de crianças de famílias ricas desfrutando de seus presentes e duas crianças etíopes em farrapos fazendo um flagrante constraste entre duas realidades anos luz de distância uma da outra. Em julho de 2005, Bob Geldof voltou à carga e promoveu o super mega evento Live 8 (uma referência às 8 nações do G8) e contou com shows simultâneos em 8 cidades ao redor do mundo: Londres, Filadélfia, Berlim, Paris, Roma, Moscou, Tóquio e Vancouver. Pelos palcos passaram mais de 1000 artistas.

segunda-feira, 11 de julho de 2011

Filha de Frederico

Joanídia Campos, filha de Frederico Campos e irmã de Dr. Adélio Campos. A criança em seu colo, quem será:
Av. 20 de Agosto na esquina da praça Getúlio Vargas. O piso de paralelepípido, a iluminação pública de lampadas amarelas... e a saudade. Notem que a torre com o relógio ainda não havia sido erguida.

Largo do Rosário

O Largo da Igreja do Rosário, as ruas de tera e a praça tomada pelo capim. Ao fundo, do lado esquerdo, o imóvel que hoje é ocupado pelo Bar do Pacú e na esquina de baixo a casa onde funciona o diretório do PMDB e mais abaixo a loja onde até bem pouco tempo funcionava  A Courolândia. Bem ao fundo, o sobrado onde chegou a funcionar o IPASC. Uma outra fotografia do largo do Rosário, publicada aqui, mostra que bem no centro da praça havia uma cisterna.

Banco Mercantil

Trecho da avenida 20 de Agosto na esquina do Banco Mercantil. A porta lateral do prédio do banco era a entrada para o apartamento que era, costumeiramente, ocupado pelo gerente. Ao fundo a Casa Paroquial e o Ginásio São Bernardino de Siena. Abaixo do banco a casa de Osires Pimentel Ulhoa e Nilda Margon onde, hoje, mora o filho Fernando e família. Nessa época, década de 1960 a Av. Raulina não era nem projeto e o piso da 20 de agosto no trecho entre a rua Dr. William Faiad até a casa de Ciro Netto era de paralelepípido e, acredito, o banco chamava-se Banco Mercantil de Minas Gerais. Na esquina da Casa Paroquial, mais tarde Pedro Aires construiu sua residência. Hoje, passando pelo local pode-se ver que o imóvel está passando por reformas.

Av. Farid Miguel Safatle

Esta fotografia, salvo engao, mostra o trecho da atual Av. Farida Miguel Safatle entre a Rua Frederico Campos e a Av. José Marcelino. Do lado direito ficava o estabelecimento de Nicolau Abrão. Ao fundo é possível notar o sobrado de Dolores Aires; do lado esquerdo onde hoje está a Secretaria de Saúde do municípiio. Na calçada, algumas crianças. Percebam os postes de trilhos no centro da avenida. Ao fundo, do lado esquerdo, a estação ferroviária. Acredito ser da década de 1940, esta imagem

quarta-feira, 6 de julho de 2011

Presente

O menino Toni Aires Campos, filho de José de Campos Netto e Áurea Aires Campos, na companhia do cão da raça Perdigueiro "Presente" que pertencia a seu pai. Fotografia da década de 1960 tirada no alpendre da casa da família que fica na Rua Bela Vista, abaixo da praça da Velha Matriz.

terça-feira, 5 de julho de 2011

No salão do CRAC

Noite de gala no Salão de Festas do CRAC na década de 1970. Á direita o casal William Safatle e Tânia. Na mesma mesa, Fátima André, irmã de Tânia. Atrás, Aparecida Campos, irmã de Maria das Dores Caampos. Atrás dela, Alexandre França e esposa.

Aires e Campos

Família Aires Campos. Os irmãos Antônio e Áurea (sentados), filhos de Cristiano Aires e Da. Belita.
Os demais, da esquerda pra direita: Eurípedes Macedo (genro de Aúrea), João Carlos (filho de Áurea) com a esposa Clarinda, José Carlos, Solange (filha de Áurea), Isabel (idem), Inês (idem), Toni (idem), Edilena e Marlene (idem). Áurea foi casada com José de Campos Netto, filho de Lourival e Felicidade Campos. Sr. Antônio é pai do pediatra Fernando Aires.

Vencedores

A dupla vencedora das eleições municipais de 1971, Silvio Paschoal (prefeito) e João Moreira (Vice). O automóvel que se vê é um DKW Vemag da década de 1960. João Moreira está à esquerda de calça preta, sentado no carro e Silvio Paschoal está acenando. Eles derrotaram os candidatos do MDB Haley Margon (Prefeito) e Carlos Cesar Elias ( o Dida - Vice prefeito e irmão do ex prefeito Adib Elias)

Os Hümmel

Familia Hümmel. João Hümmel, imigrante alemão (sentado entre 2 crianças) é o pioneiro da família.

Casa de Ciro Netto

Casa que pertenceu ao ex prefeito de Catalão, Ciro Netto, que fica na Av. 20 de Agosto. Embora tenha sofrido algumas reformas, a arquitetura está bastante preservada. Hoje a casa pertence aos herdeiros de Dorileno Netto, irmão de Ciro Netto.

sexta-feira, 1 de julho de 2011

Mauro Campos

Morreu no inicio da tarde desta quinta-feira (30), no Hospital Santa Helena, em Goiânia, o ex-presidente do Tribunal de Justiça do Estado de Goiás (TJGO), desembargador aposentado Mauro Campos. O corpo será velado a partir das 19 horas, no Cemitério Jardim das Palmeiras, e o sepultamento previsto para às 12 horas de amanhã (1º), no Cemitério Santana. Desde sua aposentadoria, em 1999, Mauro Campos trabalhava como voluntário na Presidência do TJGO no cargo de assessor especial, tendo cumprindo suas atividades normalmente até as 11 horas de hoje.
Irmão de Wagner Estelita Campos, Mauro Campos deixa cinco filhos, seis netos e uma bisneta. Natural de Catalão-GO, ele nasceu em 28 de setembro de 1928. Filho de Frederico Campos e Joana Lopes de Campos, formou-se em Direito pela Faculdade de Direito do Triângulo Mineiro, em Uberaba-MG. Mauro Campos ingressou na magistratura em 25 de setembro de 1962, como juiz de direito substituto da 5ª Zona Judiciária da comarca de Rio Verde. Neste mesmo ano, em 11 de dezembro, foi promovido para Petrolina e, em 1966, por merecimento, para a comarca de Ceres, vindo a seguir para Goiânia. Em outubro de 1977, também pelo mesmo critério, foi promovido ao cargo de desembargador. Em sessão plenária no TJGO, foi eleito presidente para o biênio 1993/1994.