sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

Haley Jr.

Haley Margon Vaz Jr. Hoje, escritor e arquiteto, reside no Rio de Janeiro. Na fotografia, de final da década de 1950, ele aparece folheando um livro, provavelmente, na frente da casa dos avós Gerônimo Vaz (Seu Nhonho) e Da.Matilde Margon Vaz. A casa fica na Av. 20 de Agosto, ao lado do Restaurante Cantina's.
(foto extraída do mural de Anibal Margon/facebook)

Moreno e Moreninho

Os irmãos Manoel Sebastião Ribeiro e Valdivino Ribeiro, catalanos, nascidos em 1933 e 1934, respectivamente formaram a dupla sertaneja Moreno e Moreninho. Em 1948 mudaram-se para Belo Horizonte e adotaram uma nova identidade artística , agora sob o nome de Emanuel e Samuel. Emanuel tocava viola e violão e Samuel, violão. Viajaram por diversos estados brasileiros. Gravaram 4 discos (na época LP) e um CD. Participam, também, no disco “Vida e Glória de Padre Vitor” com a música “O Exemplo da Fé”. Seus maiores sucessos foram “Serenó Gavião” e “Libertação”. Em 2006 a dupla foi homenageada pela Ordem dos Músicos do Brasil  por seu comprometimento com a música sertaneja de raíz. (Fotografias e informações fornecidas por Silvana Alves)


Moreno e Moreninho

Emanuel e Samuel

quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

Pracinha

No gramado da pracinha (Velha Matriz). Sentado, da esquerda pra direita, Joaquim do Bar, Beto Xibiu...
Frei Galdino à direita, José Gerònimo (irmão do Joaquim) e sua irmã. Ao fundo, a Comsul - Comercial Sul Goiana de Automóveis. Fotografia do início da década de 1970, creio.
Joaquim do bar

campeão de vendas

Joaquim, proprietário do BUTEQUIM, na praça da Velha Matriz, exibe troféu conquistado por ser o maior vendedor de Brahma da cidade. Ao seulado hernane Rosa, o Banana. Fotografia de julho de 1990.

No Joaquim de Araújo

O futuro comerciante, dono de um dos mais frequentados bares de Catalão, Joaquim, quando era estudante na Escola Estadual Joaquim de Araújo. Interessante notar o cartaz ao fundo mostrando a cadela Lassy, protagonista de um seriado televisivo que levava seu nome.

quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

Formandas

Formandas do Colégio Mãe de Deus na década de 1970. Estão na fotografia, entre outras, Matilde Margon, Cristina de Paula, Maria Inês Campos, Terezinha Pedro, Aline Democh, Cláudia Aires, ...

William e Jairo

William Democh e Jairo Netto (Casa das Ferragens).

Tonim Pires

Antônio Pires, o tonim Pires, filho de Pedro Pires e Nilza Aires Pires. Ele é neto de Jocelim Pires e primo de Olvavo Pires, o senador por Rondônia, assassinado na década de 1990.

Casaram

Pedro Pires e Nilza Aires. Ele filho de Jocelim Gomes Pires e ela de Crsitiano Aires e Isabel

Depois da pescaria

Antônio Granado, o tonim Português e João Cardoso mostram o resultado de uma pescaria, cena que hoje é impensável, tal o rigor que se tem dado à fiscalização ambiental. Tonim Português foi figura das mais bem relacionadas em Catalão. Entre seus companheiros de pescaria e copo, não são poucas as estórias protagonizadas por ele e contadas com muito humor. Conta-se, por exemplo, que Tonim, ao instalar uma janela do tipo "basculante" em sua residência, o fez fixando-a de cabeça para baixo, de forma que quando chovia a água entrava sem muita cerimônia. Outra: em uma pescaria, pararam para que ele fosse abrir um colchete. quando os carros passaram, ele fechou o colchete e ficou de cá da cerca e teve que passar por baixo do arame. Folclore ou não, o fato é que, certamente, divertia-se muito.

Antônio e Áurea

Antônio Aires, Áurea Aires Campos (em pé), Dr. FErnadno Aires e esposa. O local é o quintal da casa de Da. Áurea e, provavelmente, a reunião é pelo aniversário de Da. Áurea. Esta fotografia, não faz muito tempo. Antônio Aires e Áurea são filhos de Cristiano Aires.

terça-feira, 20 de dezembro de 2011

Então é Natal

Apresentação do Coral formado pelos alunos da Escola Paroquial São Bernardino de Siena, nas escadarias da escola como parte das comemorações das festas natalinas de 2011.
Fátima Netto, Anibal Margon e... Não consegui identificar o local mas nota-se que o piso da rua é paralelepípido. Fotografia do início dos anos 1970.

Mas é carnaval...

Da esquerda pra direita: Fátima Netto, Adriana Braga, Bernardina Gomides, Anita Braga, Belisa Gomides, Alessandra Braga e Laura Salviano Fayad. O local é a ante sala do salão do CRAC em noite de carnaval, acredito, no final da década de 1970.

Era uma casa...

Renato Ulhôa, Bernardina Gomides,Marise Ulhôa, Cebola, Raquel Sebba, José Carlos Salviano, Fátima Netto e Luís Severo Gomides. O local é a residência da família Sr. Wilson, pai de Renato e Marise e fica na rua Bernardo Guimarães, abaixo da Farma´cia Felicidade. Hoje, entretanto, a casa nãoexiste mais, foi demolida

domingo, 18 de dezembro de 2011

Da janela lateral

Fotografia da década de 1990, tirada da sacada da residência do Joaquim e mostra uma vista da pracinha. Estas árvores foram retiradas, assim como os bloquetes deram lugar ao asfalto. Observando a imagem, podemos constatar o quanto a frota de veículos da cidade, comparativamente aos dias atuais, está muito renovada.

Segura Joaquim

Fotografia, simplesmente, fantástica. Nem tanto pela qualidade da imagem e sim pelo oportunismo na captura da imagem. Ela mostra o Joaquim do bar no exato momento em que ele era lançado ao ar pelo novilho. O local é a fazenda de Pedro Diamante, aquela cujas fotografias do casarão já foram publicadas.
O primeiro à direita é o vereador, popular Traíra. O segundo, em cima da cerca de azul é Luciano, filho do Tilúcio. Segundo soube, a imagem foi clicada por Deusani Carolina.

Butequim

Fotografia que mostra um dos mais tradicionais bares de Catalão. O Butequim, o bar do Joaquim, na praça da Velha Matriz. A época é a década de 1990, pois foi quando a campanha publicitária da Brahma - a nº 1 foi deflagrada na mídia.

sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

Um dia histórico

Quinta –feira, 15 de dezembro de 2011, tinha tudo pra ser, simplesmente, mais um dia. Essa rotina foi quebrada pela sonoridade de violinos, celos, flautas, clarinetas, sax, tubas, etc.
Todos que me conhecem sabem da minha preferência irredutível pelo rock’n’roll, todavia, isso não é obstáculo e nem me impede de reconhecer o valor e a beleza de uma e outra manifestação musical.
Quinta-feira, 15 de dezembro de 2011, Catalão recebeu, em um de seus palcos, e por uma plateia repleta, a Orquestra Sinfônica de Jovens de Goiás. Emocionante é a palavra que encontro mais adequada para descrever o evento. Louvável ao extremo, por sua vez é a iniciativa do governo do estado, através da Secretaria de Ciência e Tecnologia, em apoiar tal manifestação cultural. Da mesma forma, cumpre-me festejar o esforço realizado pela administração do Centro Cultural Labibe Faiad em promover o espetáculo. Foram 8 meses de espera por uma data.
Vivemos um momento crítico na produção musical deste país. A mídia, seduzida pelo lucro fácil fornecido por nota$ musicai$ sem o mínimo de qualidade, optou pelo ridículo, pela zombaria, pela apologia ao “NADA”. A programação musical das emissoras de rádio e televisão tem, tão somente, apelo ao descartável, ao grotesco. O incontestável reconhecimento aos jovens músicos, em recente apresentação em palcos europeus, sinaliza que nem tudo está perdido e que nem todos estão acéfalos. Longa vida à Orquestra Sinfônica de Jovens de Goiás.



 

Taberna do Chopp

Dos locais destinados ao lazer gastronômico, a Taberna do Chopp foi um dos locais de maior movimento emseu tempo, na década de 1990. Várias são as estórias envolvendo assíduos frequentadores em competições de ingestão de chopp.

Cantemplando

O imigrante árabe Moisés Salomão contemplando a grande obra da engenharia, a Ponte sobre o Rio São Marcos, construída pelo prefeito Cyro Netto, no início da década de 1950. Moisés é pai, entre outros, do campeão goiano de futebol, pelo CRAC, Silvio Salomão.

É campeão

Antônio Fleury e Teodoro recebem troféu das mãos do ex-prefeito Silvio Paschoal, ladeado pelo
prefeito Divano Elias e com a cobertura do repórter esportivo J. de Oliveira. Fleury e Teodoro foram, em seu tempo, figuras das mais destacadas do esporte da bola pesada (futebol de salão). Defendendo a equipe do BEG, conquistaram dezenas de troféus, entre títulos locais e regionais. À esquerda, Hermes, que também era desportista.

Os Três, mas só um era porquinho

A santíssima trindade da Panificadora São José: Mário, Wanderley e Irineu Nicoletti (o Porquinho). As pessoas que os conheceram e com eles conviveram ao tempo da panificadora, certamente, hão de concordar com a expressão no início do texto, não nosentido religioso, mas na singularidade de cada um à frente de um dos locais de sociabilidade mais emblamáticos de Catalão. Quem viveu, viu, quem não viveu...

Formatura

Formanda do Col. Mãe de Deus na década de 1950. Sentadas, da esquerda para direita: Profª Maria das Dores Campos, Profª Mussolina de Araújo, Madre Maria de Jesus, Soror Augustinha, Da. Yaiá e Mercedez Araújo Mendes. Entre as alunas, a terceira é Izabel Esperidião, a quarta é Nelita Sampaio Nogueira; depois,  Aparecida Campos (irmã de Maria das Dores Campos), Francelina Reis, Maria Lúcia (Cotinha).

Em obras

Vista das obras da sede do Executivo Municipal, durante a administração de Divano Elias

terça-feira, 13 de dezembro de 2011

Formatura

Esta imagem faz parte do conjunto de itens referentes à formatura dos Bacharelandos de 1926 do Collegio Salesiano Santa Rosa de Nictheroy. Entre os concluintes está Wagner Estelita Campos (o segundo da esquerda pra direita e de cima pra baixo). No canto superior à direita a imagem de Sua Santidade o Papa Pio XI.

Fotografia

O primeiro registro fotográfico é datado de 1826. Em seus primórdios, a fotografia não era, como hoje, acessível à maioria das pessoas. Era coisa cara e o hábito de se oferecer uma fotografia de si mesmo ou de um filho tinha valor enorme e representava voto de amizade, de reconhecimento, de fidelidade, de apreço. A sequência de imagens a seguir, sem querer fazer jogo de palavras, retrata o hábito de uma época, hábito aquele que carregava em si, entre outras coisas, um certo status. A fotografia é um documento histórico amplamente utilizado no processo de investigação do cotidiano das pessoas, de comunidades, sociedades, cidades. Mediante as imagens da escola, da família, da vizinhança, da paisagem urbana e das coisas que os cercam e através de métodos de levantamento de indícios, aqueles "momentos documentados" identificam as correlações históricas, sociais, geográficas, étnicas, linguísticas, econômicas, etc., de um determinado período histórico.

Inesquecível amizade

Fotografia em que José Isaac Morato do Couto dedica a Antônio Guimarães de Faria, em 1905. Procurei em meus arquivos alguma referência a tais personagens, mas não logrei sucesso. O fotógrafo: Álvaro Paranhos de Mendonça, esposo de Dilly Guimarães e sobrinho de Ricardo Paranhos.

Galeno oferece

Fotografia oferecida a Frederico Campos por Galeno Paranhos, em maio de 1919. Galeno Paranhos, como publicado em outra ocasião, elegeu-se governador do estado, todavia, por interferência do clã dos Ludovico, lhe foi negada a posse. Na justiça, Galeno obteve ganho de causa, mas não a tempo de assumir a governadoria posto que o mandato já se findara.

Veneração e amor

Wagner Estelita e um seu irmão - o nome não me é legível mas parece ser Manoelito, diminutivo de Manoel - oferecem a foitografia a seus avós paternos em "signal" de veneração e amor. Catalão, 7 de novembro de 1912.

O interessante Stellita

Fotografia de Wagner Estelita Campos quando bebê. No verso a "Vovó Joaquina offerece à vovó Arminda o retratinho do interessante Stellita". A data: 1º de outubro de 1910.

Av. 20 de Agosto.

Av. 20 de Agosto na esquina com a aatual rua Nilo Margon Vaz (Hospital São Nicolau). A primeira residência pertence a Da. Margarida, filha de Transval. Ao fundo o casarão de Mariazinha. Algumas luminárias da iluminação pública já eram de lâmpadas brancas, de vapor de mercúrio mas a primeira, à esquerda da imagem era, ainda, de lâmpada comum. Ainda exitiam os postes de trilhos da estrada de ferro (á direita) e a rua que faz esquina com a 20 de Agosto ainda não havia recebido os bloquetes. São indícios de que a imagem seja defins da década de 1960, início de 1970.

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

Expresso Pedra Branca

Fotografia na Praça Duque de Caxias. Bernardina Gomides, Fátima Netto e Júnia. Ao fundo, notem, há um ônibus dentro da garagem. É o Expresso Pedra Branca, de propriedade de Levino Fonseca, pai de Evaristo Fonseca (ex jogador do CRAC). Durante anos o Expresso Pedra Branca fez o percurso entre Catalão e a comunidade da Pedra Branca e região. Seu Levino Fonseca, desportista inveterado, faleceu na quadra de futebol da comunidade fazendo o quemais gostava, jogando futebol. E lá ele foi sepultado. Na casa onde está o expresso, peertence até hoje à família de Levino Fonseca.

Tia e sobrinhas

Fátima Netto na praça Getúlio Vargas, no ano de 1975 com as sobrinhas Thaís e Luciana, filhas de Dr. Abadio e Carmen Lúcia. Ao fundo a igreja batista que já não existe mais.

Salãodo Recreio

Inauguração do Salão do Clube Recreio, no Reveillon, Dezembro de 1987. Lúcia Meireles, João Meireles, Fátima Netto, Egerúsio, Claudio chini e Inacinha, Zé Netto e Marinete, Amélia e Sérgio Ulhoa, Jair Melo e Belisa, JoãoeCarlos e Cristina, Ferdinando e Gisa

quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

Fátima Netto

Fátima Netto com o pai Dorileno, a irmã Maria Donaria e as sobrinha Luciana e Thaís, filhas de Dr. Abadio e Carmen Lúcia. O local é residência da família, a quem pertence atualmente. Ao fundo nota-se a densa vegetação que existia na vizinha casa de Dona Dagmar Vaz, sogra de Irmã Yolanda. fotografia do início da década de 1980.

Saudade

 
Vista da Av. 20 de Agosto em meados da década de 1970, dia ensolarado, pouco movimento na rua. À esquerda a torre do relógio, criminosamente demolido; à direita o prédio de Nasr Faiad; adiante o Banco Mercantil do Brasil, o escritório da Saneago, o Irapuan, o Crac, o Taco de Ouro; a Panificadora, o Empório Goiás e... muita saudade.

Netos de Dorileno

Os primos Elba, Ednardo e Amanda. Elba e Ednardo são filhos do casal Egerúsio e Fátima Netto. Hoje moram em Natal, cidade de origem de Egerúsio que pra cá veio trabalhar na Metago, posteriormente Goiasfértil. Um seu irmão, Etemistocles, que também veio para Catalão pelo mesmo motivo,acidentou-se, fatalmente, em meados da década de 1970. As tres crianças são netas de Dorileno de Cerqueira Netto, irmão do ex-prefeito Cyro Netto. Esta fotografia é de fevereiro de1988 e o local é a residência da família, na Av. 20 de Agosto, a quem peretence até hoje.

terça-feira, 6 de dezembro de 2011

Criança Feliz

A filantropia praticada por pessoas que se agrupam em torno de uma idéia, de um objetivo, enfim, de uma afinidade, é coisa que vem desde os primórdios da idade média. Talvez antes. Em Catalão, em setembro de 2007, foi fundado o Estradeiros do Bem, grupo de amigos cuja afinidade é a paixão pela motocicleta. Sábado. 3 de dezembro de 2011. os Estradeiros deram início a um projeto cuja finalidade é a distribuição de brinquedos às crianças carentes, no Natal. Na porta do Rei do REal, na Av. José Marcelino, eles ali ficaram durante todo o dia e conseguiram a doação de centenas de brinquedos. A distribuição será feita no domingo, dia 18 de dezembro, na Casa da Criança, no POntal Norte, a partir das 8 horas. A caixa coletora de brinquedos, até lá, ficará na porta do Rei do Real. O amigo seguidor do NOSSOCATALAO está convidado a participar dessa campanha por um Natal mais feliz. As imagens a seguir registram alguns momentos da campanha.



A história sobre rodas

Domingo, 4 de dezembro de 2011, aconteceu a 3ª reunião dos proprietários de carros antigos, de Catalão. A idéia, de acordo com os felizes proprietários das relíquias automotivas, é que essas reuniões aconteçam todo primeiro domingo de cada mês, na praça da Velha Matriz. Há, também, a intenção de se organizarem passeios pelas cidades vizinhas. Assim, para o dia 18 de dezembro, já está agendado o primeiro de uma série de encontros e a primeira cidade a ser visitada será 3 Ranchos. Acoleção de imagens a seguir mostra algumas das relíquias sobre rodas e que, certamente, têm causado surtos de saudosismo nas pessoas que passam pelo local.