segunda-feira, 1 de novembro de 2010

Pedido

O paternalismo, o protecionismo, o tráfico de influências, produtos das relações de amizade e posicionamento político, alinhado com os grandes mandatários da política local e regional, não é, absolutamente, privilégio dos tempos e políticos atuais. Pesquisando os documentos pertencentes ao acervo de Pedro Ludovico Teixeira, detectamos uma intensa atividade no sentido de solicitações e pedidos para favorecimento dos "correligionários". O documento abaixo, assinado por Getúlio Vaz e Álvaro Paranhos fazem um pedido de provimento de cargo cujo titular acabara de pedir exoneração da função. Leiam.

Obs.: Getúlio Vaz foi líder político em seu tempo. É irmão de Jerônimo Vaz, o Seu Nhonhô, pai de Halley Margon, de Tereza Margons, João Margon e outros. Getúlio foi casado com D. Dagmar que viria a ser sogra de irmã Yolanda. Curiosidade: um neto do casal Getúlio e Dagmar, casou-se com a filha do ex-presidente Fernando Henrique. E Álvaro Paranhos é cunhado de Virgílio Porto Guimarães (o funcionário demissionário) casado que foi com a irmã deste, Dilly Porto Guimarães. Álvaro é sobrinho de Ricardo Paranhos e neto do senador Paranhos, assassinado em fins do século XIX.

Nenhum comentário:

Postar um comentário